Especies de Passaros - Criadouro Ninho dos Colibris

Espécies

Azulão da Mata ou da Amazônia (Passerina Cyanoides)

azulao-da-mataNome Comum: Azulão da Mata ou da Amazônia
Nome Científico: Passerina Cyanoides Distribuição: Do Nordeste até o Sul, Goiás e Mato Grosso.
Habitat: Matas não muito densas.
Fêmeas e jovens: As fêmeas e os jovens são marrons.
Outras Formas: Na região Amazônica ocorre uma espécie um pouco mais escura e com bico ligeiramente mais fino, que apresenta fêmeas e jovens marrons de tom bem escuro: Cyanocompsa cyanoides.
Comportamento e reprodução: Reproduzem bem em cativeiro. Territorialistas, deve permanecer apenas um casal por recinto: gaiolas duplas de 140 cm de comprimento x 40 cm de altura x 30 cm de profundidade. São excelentes cantores, bastante procurados como pássaros de gaiola.
Tipo de ninho: Em forma de taça.
Alimentação: Sementes, pequenos frutos secos, de revestimento duro e algumas verduras.
Tamanho: 15,5 cm.
Anel: 2,8 mm

Bicudo Verdadeiro (Oryzoborus Maximiliani)

bicudo-femeaNome Comum: Bicudo Verdadeiro
Nome Científico: Oryzoborus Maximiliani Distribuição: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais e Bahia.
Habitat: Uma característica marcante do habitat dessa espécie é a presença áreas alagadas onde exista o capim-navalha (Hypolytrum pungens) ou o capim-navalha-de-macao (Hypolytrum schraderianum) ou o capim-tiririca (Cyperus rotundus).
Características: 15,0cm de comprimento. Seu canto lembra o som de uma flauta, muito apreciado entre os criadores. É atualmente no Brasil um dos pássaros canoros mais afamados e procurados. Quanto ao canto e a cor do bico, ocorrem variações regionais e individuais. Participam das provas de canto e fibra nos torneios mineiros.
bicudo-macho Comportamento e reprodução: Tem sido criado muito bem em cativeiro, especialmente em viveiros de pelo menos 90 cm de comprimento x 1 m de altura x 54 cm de profundidade.
Fêmeas e jovens: As fêmeas e os jovens são inteiramente marrons. Fêmeas velhas constumam ter pintas pretas no peito o na cabeça.
Outras formas: Da região Amazônica até o Maranhão ocorre o Oryzoborus crassirostris crassirostris, uma espécie menor, de 14,5 cm. Em Mato Grosso tem aparecido uma espécie bem maior, com 18 cm, que pode tratar-se do Oryzoborus crassirostris gigantirostris.
Tipo de ninho: Em forma de taça.
Alimentação: Sementes, pequenos frutos secos, de revestimento duro e algumas verduras.
Anel: 3,0 mm

Bigodinho (Sporophila Lineola)

bigodinhoNome Comum: Bigodinho
Nome Científico: Sporophila Lineola Distribuição: Ocorre em quase todos os Estados brasileiros; no Nordeste só aparece no inverno.
Habitat: Campos abertos, campos cultivados, capoeiras.
Fêmeas e jovens: As fêmeas e os jovens são pardos, facilmente reconhecíveis por terem um porte mais esguio.
Outras formas: Na região Amazônica o Sporophila lineola bouvronides, que se distingue pela ausência de marcação branca no alto da cabeça.
Comportamento e reprodução: Muito popular em todo o Brasil pelo seu canto. A reprodução é muito fácil em viveiros arborizados do que em gaiolas.
Tipo de ninho: Em forma de taça
Alimentação: Sementes, pequenos frutos secos, de revestimento duro e algumas verduras.
Tamanho: 11 cm.
Anel: 2,6 mm

Brejal (Sporophila Albogularis)

brejalNome Comum: Brejal
Nome Científico: Sporophila Albogularis Distribuição:Região Nordeste.
Habitat: Brejos e regiões úmidas.
Fêmeas e jovens: As fêmeas e os jovens são pardo-acinzentados; o bico é preto nas fêmeas jovens, mas com o tempo fica mais claro, um pouco alaranjado; nunca porém, como o de um macho.
Comportamento e reprodução: De todos os pássaros brasileiros, é o que mais facilmente se reproduz em cativeiro. São territorialistas e deve ficar apenas um casal por recinto. Devem-se usar gaiolas de 70 cm de comprimento 40 cm de altura X 30 cm de fundo.
Tipo de ninho: Em forma de taça. Aceitam perfeitamente ninhos de corda de 8,5 cm de diâmetro. Alimentação: Sementes, pequenos frutos secos, de revestimento duro e algumas verduras.
Tamanho: 11 cm.
Anel: 2,2 mm.

Caboclinho Paraguai (Sporophila Ruficollis)

caboclinho paraguaiNome Comum: Caboclinho Paraguai
Nome Científico: Sporophila Ruficollis Distribuição: Os Caboclinhos tem uma vasta distribuição nas regiões Centro, Sudeste e Sul do Brasil. Descolam-se frequentemente (às vezes a grandes distâncias), fora da época de reprodução, à procura de alimentos. Na Amazônia ocorre a espécie S. castaneiventris e no Pará e Nordeste a espécie S. minuta.
Habitat: Campos, campos cultivados, brejos e capinzais.
Fêmeas e jovens: As fêmeas são pardas e muito semelhantes entre si, dificultando a identificação de cada espécie e possibilitando a mestiçagem entre vários tipos, o que dá origem a formas intermediárias. Os jovens tem a mesma coloração das femeas.
Tipo de ninho: Em forma de taça. Aceitam perfeitamente ninhos de corda de 8,5 cm de diamentro.
Postura: 2 a 3 ovos
Incubação: 13 dias
Comportamento e reprodução: Reproduz em cativeiro. O canto de todos os caboclinhos é muito parecido.
Tamanho: 10 cm
Anel: todas as espécies 2,2 mm

Canário da Terra (Sicalis Flaveola Brasiliensis)

canario-da-terraNome Comum: Canário da Terra
Nome Científico: Sicalis Flaveola Brasiliensis Distribuição: Ocorre em praticamente todo o Brasil, exceto na Amazônia.
Habitat: Campos, perto de habitações.
Fêmeas e jovens: Não tem a coroa; o dorso é estriado de marrom e o peito e o abdome são amrelo-esverdeados.
Outras formas:
Canário da terra do amazonas
(Sicalis columbiana goeldi) Espécie bem menor, com o vermelho da cabeça e o amrelo mais intensos. Fêmea acinzentada.
Canário da horta
(Sicalis citrina) Identificado por duas manchas brancas, na parte interna da cauda. Fêmea menos amarela e com o dorso e o peito estriados de marrom.
Tipio
(Sicalis luteola) Parecido com o anterior, mas sem as manchas na cauda. Fêmea semelhante, mas de cor menos intensa.
Canário da terra do mato grosso
(Isicalis flaveola pelzelni) Macho semelhante à fêmea de Canário da terra. Fêmea acinzentada, com estrias.
Comportamento e reprodução: Territorialistas, deve permanecer apenas um casal por recinto. Reproduzem em gaiolas de 70 cm x 40 cm x 30 cm.
Tamanho: 12 cm.
Anel: 2,8 mm

Cardeal Amarelo (Gubernatrix Cristata)

cardeal-amareloNome Comum: Cardeal Amarelo
Nome Científico: Gubernatrix Cristata Distribuição: Ocorre da Argentina e Uruguai ao sul do Rio Grande do Sul.
Postura: 2 a 4 posturas por temporada, 2 a 3 ovos por postura.
Incubação: 13 dias.
Habitat: Campo sujo; anda no solo à procura de alimento.
Fêmeas e jovens: Fêmea com faixa superciliar e estria malar brancos, peito cinzento.
Comportamento e reprodução: Reproduz em cativeiro.
Tipo de ninho: Tipo taça, feito em arame e bucha vegetal, com 12cm de diâmetro e 6cm de profundidade.
Tamanho: 19,2 cm.
Anel: 3,5 mm

Cardeal do Sul (Paroaria Coronata)

cardeal-do-sulNome Comum: Cardeal do Sul
Nome Científico: Paroaria Coronata Distribuição:
Paroaria coronata: Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul;
Paroaria dominicana: Região Nordeste;
Paroaria capitata: Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul;
Paroaria gularis: Amazônia;
Paroaria baeri: Goiás, Mato Grosso.
Habitat: Campo aberto, beira de matas, margem dos rios.
Fêmeas e jovens: Iguais aos machos. Os jovens tem a cabeça cor de tijolo.
Outras formas:
Paroaria capitata: Cabeça vermelha, sem crista, peito preto.
Paroaria gularis: Cabeça vermelha, sem crista, tarja preta na altura dos olhos.
Paroaria baeri: Cabeça preta, sem crista.
Tipo de ninho: Em forma de taça. Aceitam perfeitamente ninhos de corda de 12 cm de diâmetro.
Postura: 3 a 4 ovos.
Incubação: 13 a 14 dias.
Comportamento e reprodução: Territorialistas, deve permanecer apenas um casal por recinto. Os melhores resultados de reprodução são obtidos em viveiros de pelo menos 90 cm x 100 cm x 50 cm.
Tamanho: 18 cm.
Anel: 3,5 mm.

Chorão ou Cigarra Rainha (Sporophila Leucoptera)

Nome Comum: Chorão ou Cigarra Rainha
cigarra-rainhaNome Científico: Sporophila Leucoptera Comprimento: 12,5 cm. Presente nas ilhas da foz do Rio Amazonas e leste do Pará, Maranhão, Piauí e Pernambuco, em direção sudeste até Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, e em direção oeste até Goiás e Mato Grosso. Encontrada também no Suriname, Peru, Bolívia, Argentina e Paraguai. É uma espécie incomum, que habita áreas de gramíneas com arbustos e emaranhados de vegetação, quase sempre próximo à água, em áreas pantanosas e margens de rios e lagos.
Vive solitária ou em pares espalhados e raramente se associa a outras espécies. O macho é cinza nas partes superiores e branco nas inferiores; a fêmea á marrom-olivácea nas partes superiores e bege-amarronzada nas inferiores. Conhecida também como cigarra-bico-vermelho, chorão, boiadeiro (Minas Gerais) e bico-vermelho (Espírito Santo).

Cigarra Bico Virado da Copa (Sporophila Schistacea)

cigarra-bico-viradoNome Comum: Cigarra Bico Virado da Copa
Nome Científico: Sporophiala Schistacea Distribuição: Amazonas, Amapá e Pará.
Postura: 2 a 4 posturas por temporada, 2 a 3 ovos por postura.
Incubação: 13 dias.
Habitat: Vive na orla da mata alta, nidifica na ponta dos galhos.
Fêmeas e jovens: Fêmeas e jovens são pardos.
Comportamento e reprodução: Os machos adultos costumam destacar-se pela berrante coloração amarelo-clara das unhas, e pela coloração amarelo carregada do bico. Seu canto é semelhante ao zunido de uma cigarra. Reproduz em cativeiro.
Tipo de ninho: Tipo taça, feito em arame e bucha vegetal (Luffa cylindrica), com 5,5cm de diâmetro e 3,5cm de profundidade.
Tamanho: 11 cm.
Anel: 2,4 mm.

Cigarra Verdadeira (Sporophila Falcirostris)

cigarra-verdadeiraNome Comum: Cigarra Verdadeira
Nome Científico: Sporophila Falcirostris

Coleirinho Baiano (Sporophila Nigricollis)

coleirinho-baianoNome Comum: Coleirinho Baiano
Nome Científico: Sporophila Nigricolis Distribuição: Praticamente em todo Brasil.
Postura: 2 a 4 posturas por temporada, 2 a 3 ovos por postura.
Incubação: 13 dias.
Habitat: Campos abertos, capinzais.
Fêmeas e jovens: As fêmeas possuem cor modesta, parda, a mesma cor dos filhotes. Os filhotes machos adquirem a plumagem de adulto com cerca de 18 meses de idade. Ocorrem também coleiros com peito amarelo e coleiros-baianos com peito branco.
Comportamento e reprodução: Reproduz em cativeiro.
Tipo de ninho: Tipo taça, feito em arame e bucha vegetal (Luffa cylindrica), com 5,5cm de diâmetro e 3,5cm de profundidade.
Tamanho: 11 cm.
Anel: 2,2 mm

Coleirinho Papa Capim (Sporophila Caerulescens)

coleirinho-papa-capimNome Comum: Coleirinho Papa-Capim
Nome Científico: Sporophila Caruelescens Distribuição: Ocorre em praticamente todo o Brasil, menos nas regiões Amazônica e Nordeste.
Habitat: Campos abertos, capinzais.
Fêmeas e jovens: As fêmeas e os jovens são pardos como os dos Caboclinhos
Outras formas: Ocorrem também coleirinhas com peito amarelo e Coleiros-baianos com peito branco.
Tipo de ninho: Em forma de taça. Aceitam perfeitamente ninhos de corda de 8,5 cm de diâmetro.
Postura: 2 a 3 ovos.
Incubação: 13 dias.
Comportamento e reprodução: Embora seja muito popular no Brasil, o Coleirinha é muito pouco criado em cativeiro. A reprodução é mais fácil em viveiros arborizados.
Tamanho: 11 cm.
Anel: 2,2 mm.

- Opniões dos Amigos
-Ola ninho dos colibris essa gente que faz a diferença juntos com Dr. Isaias pessoa linda um homem integro um diplomata em receber a todos indistintamente, continuo aliada a essa luta, porque juntos sem preconceitos venceremos os obstaculos. -Foi um sábado muito agradavel, parabéns equipe col...

Angela Braga
Aug 01, 2012
Aviso

ninho-aviso